• You know?

    PhotobucketPhotobucketPhotobucketPhotobucket

F.E.A.R 3 PRÉVIA

Posted by rronyy On 05:50 10 comentários

O que sabemos: Nós soubemos que F.E.A.R. 3 vinha de algum tempo, mas na Alemanha, fomos mais fundo nos bastidores para saber mais sobre o nitty e corajoso (e há um monte de corajoso) neste horror / mech de condução / shooter arma de detonação.
O que estamos vendo agora: F.E.A.R. tem uma longa história, com FEAR (First Encounter Assault Recon), FEAR Extraction Point, F.E.A.R. Perseus Mandate, F.E.A.R. Arquivos (a versão Xbox dos dois pacotes de expansão), o medo e 2: Project Origin, e F.E.A.R. 2: Reborn. Se você está acompanhando, isso é um heck de um lote de FEAR F.E.A.R. 3 reúne Point Man, que os jogadores vão estar muito familiarizado com a de títulos anteriores, e reúne-o com seu irmão Paxton Fettel ... um homem que ele matou. Opa. O amor fraterno deve ter algumas ligações poderosas.








Produtor sênior no projeto Dan Hay disse que eles realmente se sentou e tentou decidir a forma de evoluir no jogo. Como você faz isso assustador? Eles decidiram voltar às raízes dos irmãos por ter Fettel voltar como um fantasma, enquanto Point Man está de volta no papel familiar de uma corrida e artilheiro. Eles detestam mutuamente, mas que têm que trabalhar juntos, porque Alma, o psíquico sobrenatural, é maciçamente grávida (o jogo está definido nove meses após o FEAR 2, fazer a matemática), e suas contrações metafísica estão destruindo o mundo ao seu redor.
Você tem duas experiências de jogo completamente diferente, se você jogar como homem ou Fettel Point, e enquanto o jogo é realmente concebido para ser jogado co-op, não há nenhum camarada AI tocar junto com você, se você jogar sozinho. Significando que você tem experiências muito diferente se você for por esse caminho. Atualmente, você só pode jogar em single player como Ponto de Man, mas os desenvolvedores sublinhou "actualmente", o que significa que nós esperamos que haverá uma Fettel modo single player. Mas tendo dito isso, há um conjunto impressionante que Fettel e Ponto homem entrar, com seus estilos de jogo completamente diferentes, e isso é honestamente o maior gancho sobre este jogo.
Point Man é um artilheiro. Ele carrega armas moderno-dia que qualquer jogador de FPS vai estar familiarizado com, e ele pretende cobrir, objetivos e pops caras com balas. Ele pode executar um 180 graus manto tampa do interruptor quando atrás de um muro, se ele precisa de procurar a tampa de repente alguma coisa por trás dele. O que é bom, porque muitas vezes você vai começar a receber um tiro nas costas por quem sabe o quê, e lançando sobre a sua capa é uma maneira rápida de agachar e face na direção oposta. Ele também pode ativar um abrandamento bullet-time que Fettel não tem acesso, e ele é um cara bastante duro.

F.E.A.R. 3 Preview





Fettel, por outro lado, é um fantasma em todos os sentidos da palavra. Lembre-se Heretic e Hexen, que eram basicamente Doom com magia? Isso é o que Fettel lado das coisas parece. Você vai ver o seu lado da tela onde você normalmente vê uma arma, e ele pode amarrar "as pessoas e possuí-los. Você zap um raio de energia em uma sala, apreender um cara, e você pode mantê-lo no que agarrar, fazendo leves danos a ele, ou você pode colocar-se mesmo em seu corpo, assumindo o controle total sobre ele.
Fettel é bastante vulnerável em forma de fantasma (sim, ele pode realmente ser morto também, mas o ponto o homem pode ressuscitá-lo), mas quando ele está no controle de um corpo, ele é um rolo compressor. Ele também pode destruir o corpo que está dentro também. Embora haja um flipside a jogar Fettel, porque há certas coisas que ele precisa para ter um corpo de fazer no jogo, como piloto alguns dos fatos mech massivos que estão espalhados, mas se não há corpos ... então ele está fora da sorte.
Isso também afeta a jogar co-op também. Vamos dizer que você não está trabalhando com seu parceiro, e você está correndo fora de fazer o que quiser. Você vai descobrir rapidamente que se você está Fettel, o homem do ponto de co-jogador pode ficar farto e apenas gib todos ao seu redor, destruindo completamente os seus corpos para que você não tem nada a habitam. Mas isso tem um sentido inverso também. Fettel, que é um fantasma, pode ver coisas que ponto o homem não pode, como portas escondidas e outros segredos. Portanto, se o jogador está com raiva de Point Man, ele não precisa dizer nada.
A chave é realmente para jogar co-op, e jogar juntos. Fettel pode suspender os inimigos no ar, enquanto sopra Point Man-los, e ponto o homem pode chamar locais e dizer Fettel, que pode ser particularmente útil para possuir. Quando os dois irmãos saltaram em ternos mech e começou a soprar tudo fora (com Fettel no corpo possuído, é claro), eu decidi que eu preciso para ir a bordo de um check out mais medo 3.

F.E.A.R. 3 Preview

StarCraft II Em 3D

Posted by rronyy On 15:39 0 comentários

Em declaração ao site IGN, o diretor de produção de “StarCraft II”, Chris Sigaty, confirmou que o game deve receber uma atualização para ter suporte à tecnologia 3D estereoscópica após o lançamento.

“Lançaremos uma atualização para 3D nos próximos meses, para aqueles que possuem placas de vídeo da Nvidia e telas com suporte a esta tecnologia”, disse Sigaty. O produtor garante que, apesar de ter citado apenas o nome da Nvidia, esta atualização é “otimizada para todos os sistemas”.

Além disso, Sigaty comentou que esta atualização não vem apenas com a compatibilização do 3D. A Blizzard pretende atualizar o game continuamente com novos efeitos visuais com o tempo, “na medida em que os hardwares evoluírem”. Por fim, ele confirmou que uma destas atualizações pode trazer o suporte a anti-aliasing, que não deve vir com o game em seu lançamento.
StarCraft 2 17622 635x396 StarCraft II prevê atualização em 3D  depois do lançamento
Exclusivo do PC, “StarCraft II” será lançado em formato de trilogia, sendo o primeiro “Wings of liberty”, seguido por “Hearts of the Swarm” e “Legacy of the Void”, estes ainda sem previsão para chegar às lojas. O título chega às lojas de boa parte do mundo dia 27 de julho, incluindo no Brasil, totalmente em português, da dublagem às placas que aparecem em alguns dos cenários do jogo, passando pela sincronia labial nas animações.

O preço da edição básica Brasil é de R$ 49,90, em que se pode jogar por seis meses. Após esse período é preciso pagar planos de assinatura, ou comprar de cara uma edição de colecionador, que tem partidas ilimitadas.

Microsoft simplesmente não consegue manter os seus segredos. Primeiro ouvimos que Windows Phone 7 tem data de lançamento possível para Outubro de 2010, o novo Xbox 360 slim foi vazado por um anúncio em flash italiano, e agora detalhes do Windows 8 foram divulgados pelos parceiros da Microsoft, fabricante do PC. Vamos apenas divulgar seus detalhes em uma lista curta, certo?

windows 8 500x312 Mais novidades sobre o novo Windows 8

  1. App Store - Pense App Store do iPhone ou Android Marketplace , mas com um toque de Microsoft. Rumores de ser chamado Windows Store. Estou curioso para saber se esta é a plataforma cruzada com Windows Phone 7, e talvez com apoio do 360?
  2. INTERNET EXPLORER 9 - Incluído com o Windows 7 estará o navegador da Microsoft de próxima geração. Depois de olhar através das demonstrações de novas tecnologias para o IE 9, eu admito que eu não estou realmente animado com ele. A data de lançamento é de agosto de 2010, segundo as fontes.Experimente a demo aqui: http://ie.microsoft.com/testdrive/
  3. Windows Live Wave 5 - Os únicos detalhes que sabemos é que virá com o Windows 8. O Windows Live Wave 4 beta já está disponível, SYNC é uma grande melhoria. Experimente aqui: http://explore.live.com/windows-live-essentials-beta
  4. Data de lançamento do Windows 8 - Atualmente, a Microsoft está apontando para um lançamento em meados de 2012, o que leva a estimativas de um primeiro beta em meados de 2011, e um beta público no final de 2011.
  5. Aplicações de WEB adaptadas - aplicações de Web baseadas são um dos, se não o formato de provedor de software com crescimento mais rápido atualmente. A Microsoft espera integrar facilmente isso no Windows 8 e Windows App Store.
  6. Sensores de presença ( Kinect ) - Isso é realmente emocionante … bem, pelo menos potencialmente. A GUI em Minority Report fez geeks morrerem com a vontade de ser um jedi. Kinect poderia nos dar isso. A experiência Kinect no 360 vai um ter longo caminho para provar o conceito, mas ter o seu PC logando por base em seu rosto fazendo a varredura e bloqueio quando você sair da sala parece bem agradável.

Ainda é cedo para fazer qualquer julgamento sobre esses novos recursos, mas eu estou contente de ver algumas tentativas de renovação do emblemático Windows OS.

Bluetooth 4.0

Posted by rronyy On 15:07 0 comentários

O Bluetooth Special Interest Group, grupo responsável por definir os padrões de comunicação por Bluetooth, anunciou, na última terça-feira (6/7), ter concluído o processo de aprovação de um avanço da tecnologia Bluetooth com ênfase no baixo consumo de energia, o que deve expandir ainda mais a presença da tecnologia sem fio em uma série de gadgets.

A nova especificação, chamada tecnicamente de Bluetooth Core Specification versão 4.0, abre mercados inteiramente novos para dispositivos que requerem baixo custo e baixa potência, criando uma evolução na tecnologia que permitirá uma infinidade de novas aplicações, “algumas que nós nem imaginávamos até hoje”, afirmou o grupo, em um comunicado.

bluetooth Em breve teremos Bluetooth 4.0

“Embora não pareça muito excitante, mesmo para os fãs de Bluetooth, esta nova versão inclui o recurso de Hallmark, uma tecnologia Bluetooth de baixo consumo de energia, que ajudará a dar início a uma nova geração de dispositivos sem fio, capaz de coisas incríveis”, disse o diretor executivo do grupo Bluetooth Special Interest, Mike Foley.

“Alguns desses novos dispositivos de baixa energia serão capazes de operar durante muitos anos com uma única bateria, do tamanho de um pequeno botão”, explicou Foley.

A capacidade de funcionar com tão pouco consumo – equivalente a 10% da energia usada por dispositivos clássicos – permitirá uma série novidades para produtos de todos os segmentos, desde esportes e fitness até saúde e entretenimento, como:

- Acompanhar e gravar os níveis de atividade e frequência cardíaca e peso;

- Sensores de Saúde, que coletariam informações vitais, tais como pulsação, temperatura e nível de glicose no sangue, para enviar, automaticamente, informações para um celular ou PC, permitindo que médicos e outros profissionais de saúde façam o controle remotamente;

- Relógios capazes de controlar fones de ouvido wireless, celulares, e outros dispositivos portáteis, que permitirão ouvir música ou fazer chamadas telefônicas enquanto se trabalha, bem como acompanhar pulsação, velocidade e distância percorrida.

“A vantagem deste novo protocolo é que ele é totalmente otimizado para funcionar em sistemas com baterias mais fracas”, disse a principal analista da West Technology Research Solutions, Kirsten West, em um relatório divulgado na semana passada.

Embora esteja apenas começando, esta nova tecnologia deverá dominar o mercado nos próximos cinco anos. Segundo Foley, os primeiros aparelhos devem começar a chegar neste outono, com uma inundação prevista para 2011.

Análise de BLUR

Posted by rronyy On 15:01 1 comentários

Carros e power-ups... Onde é que já vimos isto? Certamente, em vários jogos dos últimos anos. Desde o velhinho Super Mario Kart até ao ModNation Racers, passando pelo Mashed ou pelo recente Sonic & SEGA All-Stars Racing. O que é que mais um jogo deste tipo poderá trazer de novo?

Blur autocaracteriza-se como um videojogo de karts para adultos. É, no fundo, um jogo de corridas como tantos outros com a particularidade de contar com os ditos power-ups. A diferença, entre os demais, é que Blur pretende trazer o jogo sujo possibilitado pelos poderes e juntá-lo a gráficos de última geração, com efeitos a condizer e uma boa apresentação. O mais recente título da Bizarre Creations começa por chamar a atenção pela sua introdução - que faz uso de um remix da Ecstasy of Gold, de Ennio Morricone - e pelo visual dos menus, assim que iniciamos o jogo pela primeira vez.

Como quase todos os jogos de corridas actuais, Blur conta com uma vertente single-player e uma multiplayer. O modo Career, o elemento principal do offline, é onde iremos passar uma grande parte do tempo, se gostarmos de jogar contra a consola. Este modo divide-se em nove grupos de corridas, se assim lhe quisermos chamar, e cada um deles terá uma espécie de boss final. Para desbloquear cada um destes rivais seremos obrigados a recolher um certo número de pontos nas ditas corridas, assim como completar alguns requisitos.

Existem vários tipos de corridas. Resumidamente, a Race é o tipo normal; aqui teremos de dar um certo número de voltas à pista, tentando acabar em primeiro e causando o maior estrago possível aos carros adversários. A Destruction consiste em destruir carros inimigos (que são eliminados apenas com um disparo) através de um power-up específico, o Bolt, e a Checkpoint consiste, precisamente, em passar os checkpoints com tempo, correndo contra o relógio.

Em todas as corridas existirão três objectivos: acabar com a melhor classificação possível; passar todos os "portões" (Fan Runs) da corrida, que aparecem na pista depois de iniciarmos o evento; e ganhar o número de fãs que nos é pedido, o que podemos fazer através das mais variadas acções, como usar power-ups ou passar pelas Fun Runs referidas. Nas Races, por exemplo, ser-nos-á pedido que acabemos a corrida em primeiro lugar, de forma a conseguirmos obter as cinco luzes douradas, e que usemos uma série de power-ups, de preferência combinados, para ganhar os fãs. Existem ainda os Fan Demands, desafios específicos que nos ajudam a aumentar o número de fãs, como acertar com dois mísseis nos adversários em menos de x segundos.

É certo que poderemos dar-nos ao luxo de não ganhar todos os fãs ou de não passar todas as Fan Runs, mas se cruzarmos a meta numa posição que não seja, pelo menos, a terceira, a corrida é dada como falhada e teremos de a repetir.

Todos estes objectivos contam para desbloquear o boss final desse grupo. Ao ganhar a este rival, numa corrida One-on-One, não só ganharemos o seu carro como também o seu Mod, ou seja, a modificação especial que cada um deles tem no carro. A título de curiosidade, o Mod do primeiro boss consiste em dar mais uma carga ao power-up Bolt, que nos possibilita, assim, disparar quatro Bolts em vez de três.

Existem oito power-ups, embora só possamos ter três "no bolso", que vão deste o conhecido Nitro até ao Shunt (um míssil perseguidor), passando pelo Shield, e mais de 55 carros de marcas conhecidas. No single-player começaremos por jogar com carros de categoria D, que são carros geralmente mais lentos e menos poderosos, e evoluiremos até às seguintes categorias (C, B e A). Isto quer dizer que poderemos jogar com vários carros, desde Carochas a Ford's GT, os quais precisarão de ser desbloqueados à medida que aumentamos o nível do nosso Fan Status. Alguns dos carros podem ser personalizados com cores diferentes, e as pistas são criadas em locais reais, como Barcelona, Brighton, Los Angeles ou Tokyo.

Todos os carros estão fiéis à realidade, ainda que com algumas alterações, e o cenário, embora o seu grafismo não seja nada de outro mundo, está bem desenhado. No entanto, deve fazer-se uma referência especial aos efeitos de luz e cor, que estão bastante bem trabalhados. Blur não tem vergonha de apostar nas cores, seja nos power-ups ou mesmo no ambiente, e isso faz dele uma experiência visualmente agradável. Para além disso, também foi dada atenção aos restantes efeitos visuais, como as faíscas que se originam por rasparmos noutro carro ou o fumo negro que sai do motor se o carro estiver quase pronto para ir para a sucata.

Uma das coisas que podia ter sido alvo de mais trabalho, contudo, são as animações que os carros têm quando são atingidos por um determinado power-up. Como exemplo, todos os Shunt provocam uma pirueta do carro na vertical e todas as Mines fazem com que o carro rodopie sobre si próprio. Poderiam ter sido criadas mais uma ou duas animações para cada impacto, e, assim como está, estas tendem a tornar-se repetitivas.

No entanto, há um pormenor interessante: o dano nos carros. É certo que não é um sistema de dano que faça uso de uma exímia detecção de colisão, mas é engraçado ver que o carro se vai deteriorando à medida que levamos dano, seja ele oriundo dos adversários ou da nossa azelhice para conduzir um carro a alta velocidade. A durabilidade do carro é representada por um contador específico colocado no retrovisor, o que nos ajuda a perceber quando devemos começar a procurar aquele power-up especial chamado Repair.

Por falar em retrovisor, há que dizer que este espelho vai dar bastante jeito por uma razão principal: alguns dos power-ups podem ser disparados para a frente ou para trás, como os Shunts, Bolts ou Mines, e isto pode revelar-se fulcral para ultrapassar a concorrência ou, se já estivermos na frente, fazer a vida negra à que vier atrás de nós.

Existe, também, um ponto fundamental que deve ser destacado nesta era emergente das redes sociais. Em Blur, há uma forte conectividade entre o jogo e o Facebook e o Twitter. Em quase todas as situações poderemos, se tivermos a nossa consola ligada à internet e associada às nossas respectivas contas, enviar a informação para a página de Facebook ou criar um Tweet com aquilo que acabámos de fazer. Isto pode ser interessante para todos aqueles que gostem de exibir os seus feitos.

Ligado a isto, existe ainda uma secção de Stickers, os típicos objectivos dos Troféus ou Achievements que são, aqui, representados in-game. Estes objectivos variam entre várias coisas, como acertar com as quatro cargas do Bolt num só inimigo ou chatear os nossos amigos, no Facebook, com os nossos feitos. Blur conta também com Friend Challenges, que basicamente consistem em desafiar os nossos amigos a bater o nosso record.

No modo multiplayer de Blur, o sistema funciona à parte do do modo single-player. Isto quer dizer que um jogador não precisa de jogar a vertente offline para ter acesso a melhores carros ou outras corridas, as quais variam entre sessões normais de 10 ou 20 jogadores, jogo por equipas ou até um modo sem power-ups. Tal como os Stickers do single-player, também o multiplayer vem recheado com desafios para completar, o que nos recompensa com mais fãs.

Para aqueles que não possuem uma ligação à internet ou que apenas pretendem jogar com amigos a nível local, Blur oferece as opções de split-screen (até quatro jogadores) e de Local Area Network, esta última permitindo-nos jogar em várias consolas interligadas entre si.

Todas as corridas são acompanhadas por uma banda sonora adequada ao género, que aposta fortemente no techno. Os restantes efeitos sonoros existem em abundância, como as colisões, o som da borracha a derrapar no alcatrão ou os motores, e até estão razoáveis, não retirando qualidade ao jogo.

Por fim, um jogo destes não conseguiria sobreviver sem uma jogabilidade decente, e Blur consegue não estragar tudo neste campo. Os controlos são intuitivos, e é bastante fácil controlar o carro, mesmo a altas velocidades, depois de um tempo de jogo. Poderá nao ser muito fácil fazer drifts, mas nada que um bocado de prática não resolva. No entanto, cada carro tem um tipo diferente de aderência ao solo, o que nos oferece a possibilidade de escolher aquilo que mais gostamos: um carro mais escorregadio ou com mais aderência, mais rápido ou mais lento.

Como nota final, há que dizer que Blur não oferece um conceito novo, mas não deixa de ser inovador. É, de facto, um videojogo de karts para adultos e para todos aqueles que estejam fartos de bonecada. No geral, o jogo está bem desenhado e oferece bons momentos de diversão. A frustração também está presente, claro, especialmente no multiplayer, mas isso não deve impedir aqueles que procurarem um título de corridas diferente.

Blur não é extremamente complexo nem nos mergulha num mundo fantástico, mas é divertido e consegue aguentar-se bem enquanto jogo de corridas nesta geração de consoles.

Prós:

  1. Viciante;
  2. Marcas reais;
  3. Bons efeitos de cor e luz;
  4. Modo online bem estruturado;
  5. Integração com as redes sociais;
  6. Bom regresso aos jogos com power-ups.


Contras:
  1. Poucas animações dos veículos.



Fonte: gamevicio